CRISE: Judeus brasileiros deixam o país para viverem em Israel.

“The Jerusalem Post”, um dos mais influentes jornais de Israel, tem enfatizado sobre o aumento do número de judeus brasileiros que emigrou para Israel neste ano de 2015. De acordo com o relatório, a motivação principal desta fuga não é o anti-semitismo enfrentado por muitos judeus , mas para fugir da crise economica causada por um governo corrupto e incompetente que tem minado a economia do país nos últimos 13 anos, e como consequencia, para escapar  da terrível violência urbana que assola o Brasil.

Para os estudiosos da profecia  bíblica  é  muito significativo esta chegada de judeus brasileiros a Israel e que este número irá aumentar ainda mais nos próximos anos

judeus brasileiros regressam a Israel

A imigração para Israel, ou Aliyah, de muitos judeus brasileiros mais que dobrou nos últimos quatro anos, de 191 em 2011 para mais de 400 este ano. Em comparação, a média de crescimento da Aliyah na América Latina no mesmo período foi de apenas 7%.  Embora cerca da metade da população judaica da América Latina se encontra na Argentina, o Brasil foi o país latino que mais enviou imigrantes para Israel nos dois últimos anos. Estima-se que a população de judeus que vive no Brasil seja de 120,000 elementos .

No ano passado, foi fundada a Beit Brasil, uma organização não governamental com sede em Israel que visa ajudar a judeus brasileiros que desejam mudar-se para Israel.
Em entrevista,  vários brasileiros que escolheram  viver em Israel, demonstraram que a preocupação principal é por um “futuro melhor”. Mesmo sabendo que viver em solo israelense significa lidar com a ameaça constante de terroristas palestinos, os brasileiros acreditam que eles estarão  mais seguros do que no país onde nasceram.
Para o Jerusalem Post, o Brasil é “um dos países mais perigosos do planeta”, recordando as estatísticas que mais de 58.000 pessoas tiveram uma morte violenta em 2014. O analista Robert Muggah disse: “Morrem mais pessoas a cada ano no Brasil através da violência urbana do que em qualquer outra parte do mundo, incluindo a maioria das zonas de guerra do mundo combinadas. ” Isto é uma vergonha!
O artigo do jornal israelense também mostra como a crise economica do país está causando que os judeus brasileiros busquem uma melhor qualidade de vida em Israel. E com a volta da inflação, a desvalorização do real frente ao dólar e ao desemprego galopante, criou-se  grande incerteza sobre o que vai acontecer no país nos próximos anos.
Retorno profético.
Não são apenas os brasileiros que ainda estão a aumentar as taxas de Aliyah. Em 2014, 26.429 imigrantes judeus chegaram a Israel. Um grande salto em comparação com 19.012 em 2013. A expectativa é que esse 2015 termine com um aumento de mais de 40% em relação ao ano anterior.
A origem da maior parte dos “olim” , como são chamados os judeus que retornam a Israel são: Ucrânia (26%), França (25%), Rússia (21%) e os EUA (9%).
Segundo o periódico de Israel, no primeiro semestre de 2015 atingiu 3.756 judeus da Rússia e da vizinha Ucrânia quase 6.000. Um aumento de 52% em relação a 2014.
Eles fugiram do clima de guerra entre os dois países. Após os ataques na França no mês passado, centenas de judeus franceses enviaram seus documentos para imigrar para Israel.
Mas a grande surpresa deste ano foi a adopção da Ethiopian Aliyah 9000, que é o maior bloco da etnia. Segundo a tradição, os judeus que vivem na Etiópia por 3000 anos, desde o tempo do reinado de Salomão. Para os estudiosos de profecia, é significativo que estes números venha a aumentar tanto em um ano em que os rabinos têm falado repetidas vezes do Messias. O rabino Chaim Kanievsky, uma das maiores autoridades no judaísmo ultra-ortodoxo, pediu que todos os judeus retornem a Israel o mais rápido possível. O entendimento é que esta é uma ação espiritual que marca a vinda do Messias judeu.

Maranata  , ora vem Senhor Jesus!

 

Fonte: noticiascristianas

Esta entrada foi publicada em Atualidades, Evangelístico. Adicione o link permanente aos seus favoritos.